Notícias


Uma análise do mercado imobiliário

Uma análise do mercado imobiliário

Com a proximidade do fim do ano, empresas que atuam no ramo da construção civil realizam o tradicional balanço de 2013 e revelam as expectativas para 2014.

 Há pelo menos uma década, Ribeirão Preto vem sendo apontada como uma das grandes potências do mercado imobiliário nacional. Basta fazer um rápido passeio pelas ruas para entender perfeitamente porque a cidade figura nessa seleta lista. Canteiros de obras estão espalhados por todos os lados. Os lançamentos acontecem em ritmo acelerado, trazendo para o público inovações em edifícios residenciais e corporativos, condomínios horizontais, loteamentos e complexos multiuso. Para se destacar em um segmento tão competitivo, as construtoras e incorporadoras desenvolvem projetos cada vez mais elaborados, com arquitetura arrojada e planta bem estruturada, proporcionando conforto, segurança e qualidade de vida. 

Tanto capricho vale a pena, já que o número de pessoas dispostas a investir para realizar o sonho de viver bem é expressivo. “Mesmo assim, ainda me questionam se existe mesmo demanda para tanta oferta. A resposta é sim. Ribeirão Preto continua progredindo, de forma gradativa e equilibrada. Só nos últimos três anos, a cidade recebeu mais de 40 mil novos habitantes, o que reverte na necessidade de pelo menos mais 10 mil moradias”, revela o diretor administrativo da imobiliária Fortes Guimarães, Cacaio Fortes Guimarães. Ainda segundo o empresário, o setor contabiliza, até o momento, R$ 1,4 bilhão em lançamentos, valor semelhante ao de 2012, mas com um incremento de 15% a 20% no nível de vendas. Um fator importante, que torna esse dado ainda mais impressionante: de janeiro a outubro, o preço do m² de imóveis prontos subiu aproximadamente 11%, de acordo com levantamento feito pela Fundação de Pesquisas Econômicas FipeZap. Para Cacaio, essa combinação demonstra que o mercado tem fôlego de sobra e espaço aberto para crescer.

A Stéfani Nogueira Incorporação e Construção e a Construtora Stéfani também encerram o ano com muito otimismo. Os produtos apresentados no primeiro semestre tiveram ótima aceitação. Só para se ter uma ideia, todas as unidades do Acrópole Sul foram comercializadas em apenas 20 dias. No residencial Cabreúva, 95% dos 152 apartamentos já possuem um proprietário. “Isto comprova a força do mercado de Ribeirão Preto”, aponta Pedro de Stéfani Nogueira, diretor da Stéfani Nogueira Incorporação e Construção. Para o segundo semestre, as empresas trabalham com o aguardado Panamby, loteamento que fica no entorno do Parque Luiz Roberto Jábali, conhecido como Curupira. O bairro planejado é composto por diversos empreendimentos de alto padrão, como o condomínio de casas Baraúna e o edifício Guaecá. “Foi um ano realmente especial. Estamos felizes e realizados. Para 2014, nossas expectativas se mantêm elevadas”, completa Pedro.

Na Habiarte Incorporação e Construção, os últimos meses trouxeram resultados mais do que satisfatórios. “Consideramos este ano como o melhor em vendas da história da Habiarte. O volume de negócios contratado, em todos os nossos produtos, até o dia 31 de outubro, foi mais do que o triplo em relação ao volume total contratado em 2012”, releva João Marcelo de Andrade Barros, diretor financeiro-comercial da construtora. Apesar do incrível desempenho em vários empreendimentos, os edifícios Cidade de Paris e Cidade de Roma, ambos localizados no Mirante Morro do Ypê, são os que mais contribuíram para esse resultado favorável. Os residenciais, de altíssimo padrão, contam com localização privilegiada, na Zona Sul, e tiveram quase todas as suas unidades comercializadas em 2013. Para o ano que vem, as perspectivas são animadoras. João Marcelo adianta que estão previstos de dois a três lançamentos com a assinatura da Habiarte em 2014.

A Bild Desenvolvimento Imobiliário é outra empresa que tem motivos para celebrar. “Batemos o nosso recorde em 2013. Comercializamos vários produtos do portfólio, como o Belize e o Jardim Sul. Até o final de outubro, igualamos o volume de vendas do ano passado (de janeiro a dezembro de 2012). Devemos atingir, em média, um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 270 milhões até novembro. Nosso balanço pode superar essa estimativa, visto que nessa época há um aquecimento natural do mercado e também porque estamos com um pré-lançamento, em parceria com a Perplan e a Construplan, que é realmente impactante”, enfatiza o diretor comercial da Bild, Marlon Vitorino. O empreendimento ao qual ele se refere é o Über Parque Sul. “Esse é um projeto diferenciado, que responde aos anseios do público de Ribeirão Preto. A localização, na continuação da Alta Fiusa, juntamente com a qualidade de vida e o bem-estar são os pontos fortes”, resume o diretor. Para o próximo ano, estão no planejamento estratégico pelo menos seis empreendimentos, totalizando cerca de 1.000 unidades. “Acreditamos que há mercado consumidor potencial para esses novos negócios”, conclui.

Isabella Francisco, gerente regional comercial da Alphaville Urbanismo, lembra que o andamento da economia tem um papel fundamental nesse contexto. “Com a desaceleração do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB), o setor passou por alguns ajustes e as vendas se estabilizaram. No entanto, a Alphaville vem apresentando uma evolução contínua desde 2008, apesar do ambiente econômico desfavorável. Em 2013, a expectativa de VGV de lançamentos da marca em todo o país deve alcançar R$ 1,5 bilhão”, aponta Isabella. A grife imobiliária chegou à cidade em 2010 e o Alphaville Ribeirão logo movimentou o mercado. Cerca de 90% do complexo já foi comercializado. Duas etapas foram entregues e a terceira está em fase de pré-lançamento.

Débora De Bortoli, vice-presidente do Grupo WTB, também utiliza a abordagem econômica para fazer uma análise comparativa entre 2012 e 2013. “O ano passado foi marcado por adaptações do mercado. A alta dos juros, o baixo crescimento econômico e a projeção da inflação geraram um número menor de lançamentos e, consequentemente, menor volume de vendas. Em 2013, tivemos uma recuperação. O ramo imobiliário voltou a crescer de maneira organizada. Esse processo deve prosseguir de maneira gradativa. Com essa estabilidade restaurada, a WTB terá condições de realizar mais alguns de seus projetos inovadores, sustentáveis e de alto valor”, comenta Débora. Este ano, a empresa direcionou suas ações para o residencial Terras de San Gabriel, empreendimento da Linha Terras, em Bonfim Paulista. Um projeto de qualidade, baseado no conceito de Novo Urbanismo, que gerou uma grande aceitação pelo público e foi comercializado rapidamente.
 

Segundo José Renato Magdalena, da Copema, as projeções feitas pela construtora já apontavam esse período de reformulação. “Aconteceu tudo conforme o esperado. Estávamos preparados. Houve uma queda na confiança dos investidores e, no caso daqueles que iram comprar imóveis para morar, cresceu o medo do financiamento a longo prazo. Justamente por isso, uma das tendências do setor é a redução das áreas dos produtos para atender às condições financeiras atuais. Mesmo assim, nós mantemos o nosso nicho de mercado, sem perder o padrão, com apartamentos na faixa de 150 a 250m²”, explica José Renato. Neste ano, o principal produto da Copema foi o Les Alpes - Torre Bellevue, que faz parte do complexo de torres no Saint Gerard. Esse foi o segundo lançamento do Les Alpes. Para 2014, o empresário é cauteloso. “Será um ano de muitos acontecimentos. Teremos o Carnaval, depois Copa do Mundo e ainda eleições. Os dois últimos não são rotina e são de grande impacto para a economia”, finaliza. 


Fonte: Revista Revide , 29 de novembro de 2013